pub

Veterano Algarvio Sobe ao Pódio Nacional Slalom

Algarvio Carlos Clímaco em Alvor, na etapa em que garantiu o 3º lugar final no Nacional de Slalom Windsurfing 2017 (®APWind)
Algarvio Carlos Clímaco em Alvor, na etapa em que garantiu o 3º lugar final no Nacional de Slalom Windsurfing 2017 (®APWind)
pub

O velejador Carlos Clímaco (Clube de Vela de Lagos) conquistou o 3º lugar no Campeonato Nacional de Slalom Windsurfing 2017. O atleta veterano e mariscador de Sagres foi o melhor algarvio no ‘ranking’ final. A 2ª etapa (última) foi disputada em Alvor e teve dois dias com excelentes condições de vento. O espanhol Fernando Martínez del Cerro dominou o campeonato. Bruno Bértolo (Alhandra SC) revalidou o título de Campeão Nacional, concluindo as duas etapas em 2º lugar.

O Campeonato Nacional de Slalom Windsurfing 2017 foi organizado pela APWind – Associação Portuguesa de Windsurf e pelo Clube Naval de Portimão, tendo sido inteiramente disputado no Algarve, em duas etapas. Fernando Martinez del Cerro triunfou em junho no Martinhal (ver notícia) e voltou a vencer no passado fim-de-semana em Alvor. O espanhol venceu 13 das 15 séries disputadas no campeonato (5 no Martinhal e 10 em Alvor), tendo faltado a uma (a última) e feito 2º noutra (na primeira etapa).

Os dois primeiros dias da derradeira etapa em Alvor, sexta-feira 21 e sábado 22 de julho foram servidos por excelentes condições de vento, bem aproveitadas pelas duas dezenas de competidores e a suscitar muita interesse aos banhistas na praia. A etapa nacional ficou marcada por uma luta intensa a dois pelo primeiro lugar nacional, entre o campeão Bruno Bértolo e o jovem cascalense Pedro Pinheiro. O atleta de Alhandra conseguiu revalidar o título com apenas três pontos de vantagem sobre o adversário de Cascais.

Bruno Bértolo, bicampeão nacional de Slalom Windsurfing 2016-2017 (®APWind)

Bruno Bértolo, bicampeão nacional de Slalom Windsurfing 2016-2017 (®APWind)

O 3º lugar nacional foi também alvo de um forte despique em Alvor, protagonizado entre o algarvio Carlos Clímaco e por Rui Silva, do Clube Naval de Cascais. O velejador cascalense levava vantagem da primeira etapa, mas o algarvio foi mais forte em Alvor e conseguiu o 3º lugar no ‘ranking’ final com seis pontos de diferença em relação ao adversário.

Carlos Clímaco superou o prejuízo nos dois primeiros dias em Alvor e chegou ao último dia já em vantagem. Uma das três séries realizadas domingo correu mal ao algarvio, mas o cascalense também partiu o cabo da retranca noutra série do mesmo dia. “Foi muito aceso com o Rui. Terminou tudo sem se saber os resultados e só tive a certeza na entrega de prémios. O Rui Silva é um exemplo de ‘fairplay'”, comentou Carlos Clímaco, ao Swell-Algarve.

Carlos Clímaco está a cinco meses de completar 60 anos de idade e esta é a sua segunda época desportiva de aposta forte no Nacional Slalom, apesar de praticar windsurf há quatro décadas. Em 2016 terminou em 5º em Alvor e no Nacional. Este ano subiu em 3º, culminando uma época em que desafiou o Tramontana em França (ver notícia) e treinou com os melhores do mundo em Espanha. “Foi um ano de muito trabalho e muito treino. O meu esforço não foi em vão”, concluiu o veterano algarvio.

O multicampeão nacional português de Formula Windsurfing e já por diversas vezes também campeão de Slalom, Miguel Martinho (Clube Naval de Portimão) participou na etapa em Alvor e concluiu quase todas as séries em 2º. Mas o algarvio não participou na primeira etapa e, como tal, terminou o campeonato no 5º lugar do ‘ranking’ nacional.

Comentários