pub

#7 Samsung Galaxy Championship Tour | World Surf League

Jeremy Flores Vence em Teahupo’o

Jeremy Flores no tubo que lhe garantiu a vitória na final em Tehaup'o contra Gabriel Medina (®WSL)
Jeremy Flores no tubo que lhe garantiu a vitória na final em Tehaup'o contra Gabriel Medina (®WSL)
pub

Jeremy Flores venceu o Billabong Pro Tahiti, 7ª Etapa do Samsung Galaxy Championship Tour (CT), da World Surf League (WSL). O surfista francês bateu na final o campeão do mundo, Grabriel Medina, e consolidou a sua reputação como um dos melhores ‘tube riders’ do planeta, depois de ter vencido em Pipeline… há quatro anos.

A vitória de Jeremy Flores foi construída sobre a eliminação dos mestres Kelly Slater e CJ Hobgood e com uma exibição tranquila na final. Contra as movimentações bruscas de Medina no ‘line up’, Flores manteve-se no seu ponto de escolha e esperou, esperou até à chegada da ‘bomba’ em que fez um tubo de 9,47 pontos e decidiu a final.

A competição na poderosa onda Teahupo’o terminou pela uma da manhã desta quarta-feira, 26 de agosto, hora portuguesa. Jeremy Flores participou na prova contrariando a opinião dos seus médicos, que desaconselharam o desafio numa onda tão pesada cerca de um mês depois de o surfista francês ter sofrido um traumatismo craniano, num recife na Indonésia.

Jeremy Flores competiu em Teahupo’o sempre de capacete e alcançou a sua segunda vitória de sempre no CT, quatro anos depois de ter vencido em Pipeline (Havai). Realizou uma exibição imaculada, ganhou na casa da namorada, restabeleceu a sua reputação depois do incidente que levou à sua suspensão em 2014… e entrou na corrida para o título mundial deste ano.

O Billabong Pro Tahiti foi uma prova de emoções fortes. Teve sete dias sem prova à espera de swell. Teve um duelo histórico entre Medina e Florence na Ronda 3. E teve a liderança do ‘ranking’ (a camisola amarela) sempre em jogo desde a eliminação prematura do líder Adriano de Souza na Ronda 3.

Mick Fanning podia ter assumido a liderança, mas também foi eliminado. O mesmo aconteceu a Julian Wilson. E depois a Filipe Toledo e a Owen Wright. Todos eles ficaram a um ‘heat’ de conquistar a ‘camisola amarela’, que continua na posse de Souza. Beneficiou Kelly Slater, que chegou aos quartos-de-final e subiu ao 6º lugar do ‘ranking’, entrando na luta pelo título mundial. Jeremy Flores também entrou na mesma disputa, ao subir ao 7º lugar da tabela. Esta é uma luta que está renhida e promete muita emoção na reta final do CT 2015.

Emocionante no Billabong Tahiti Pro foi também a prestação de CJ Hobgood, que já anunciou a sua retirada após o fim da época. Foi a sua última prova CT em Teahupo’o, onda onde tem um dos melhores registos de bons resultados. Fez a única onda 10 pontos do campeonato e recebeu o prémio Andy Irons Most Comitted Performance Award.

Comentários