pub

Processo eleitoral conturbado

João Rosa Vence Eleições no Naval de Portimão

João Rosa tomou posse imediata como novo presidente da Direção (®CNP)

A Lista B, encabeçada por João Rosa venceu as eleições para os Órgãos Sociais do Clube Naval de Portimão no triénio 2018/2021. O processo eleitoral foi concluído sábado à tarde, dia 30 de junho, mais de um mês depois de ter sido interrompido por suspeitas de irregularidades. No comunicado pós-eleitoral, o clube adiantou que “verificou-se não existirem” as alegadas irregularidades.

O processo eleitoral provocou uma crise no Naval de Portimão. Os sócios foram chamados a escolher entre uma lista de continuidade (A), dirigida pelo vice-presidente da Direção cessante, Miguel Farinha, e uma lista de alternância (B), de João Rosa. A Lista A integrava a maioria dos elementos da Direção cessante, excepto o presidente, Tito Januário; e também o presidente da Mesa da Assembleia Geral, José Casimiro. Na Lista B destacava-se, em termos desportivos, a candidatura a vice-presidente de um dos mais carismáticos atletas do clube, Miguel Martinho, multicampeão de windsurf.

José Casimiro interrompeu as eleições dia 26 de maio, a menos de três horas do fecho da urna. O presidente da Mesa da Assembleia Geral justificou a decisão com suspeitas de “graves irregularidades”. No centro da polémica estavam os muitos votos por procuração apresentados por elementos da Lista B. O responsável pela Lista A, Miguel Farinha fez uma participação ao Ministério Público.

A Lista A pedia nova convocatória eleitoral. O presidente da Mesa da Assembleia Geral optou pela continuidade do processo eleitoral em curso e marcou a sua conclusão – três horas de votação – para 2 de junho. Nesse dia, a mesa de voto não chegou a ser aberta porque dois sócios, incluindo José Casimiro, renunciaram às respetivas candidaturas pela Lista A.

O presidente da Mesa da Assembleia Geral nomeou uma Comissão de Gestão, incluindo-se a ele próprio no grupo de três elementos, e o ato eleitoral foi remarcado para 30 de junho. A Lista A não reconheceu legitimidade à Comissão de Gestão, por considerar que a decisão de a criar é “nula e de nenhum efeito”.

A troca de palavras agravou-se na contagem decrescente para o ato eleitoral (ver notícia). Sábado, 30 de junho, as eleições foram concluídas, entre as 14:00 e as 17:00, e os vencedores tomaram posse imediata. Foram escrutinados um total de 2406 votos. A Lista B venceu as eleições com 62% (1501) dos votos expressos, contra 905 votos recolhidos pela Lista A.

“Apesar de a candidatura da Lista A ter sido declarada ineficaz, face à recusa de dois dos seus membros de a integrar, muito nos honra sermos legitimados pelos votos expressos por uma esmagadora maioria dos sócios. Não aceitaríamos NUNCA vencer na ‘secretaria'”, comunicaram os órgãos sociais recém-eleitos, em mensagem publicada na página do clube no Facebook, no dia seguinte às eleições.

Comentários