pub

Em litígio com a Câmara Municipal de Mafra

Amigos dos Coxos Retiram Apoio a Reserva Mundial

A famosa onda dos Coxos. Associação dos amigos da Baía esteve na origem da Reserva Mundial de Surf na Ericeira e agora bateu com a porta em desacordo com a Câmara Municipal de Mafra (®PauloMarcelino/arquivo/Dez2014)
A famosa onda dos Coxos. Associação dos amigos da Baía esteve na origem da Reserva Mundial de Surf na Ericeira e agora bateu com a porta em desacordo com a Câmara Municipal de Mafra (®PauloMarcelino/arquivo/Dez2014)
pub

A Associação dos Amigos da Baía dos Coxos alega representar os locais, munícipes e outros frequentadores habituais praticantes de surf nas praias, sobretudo, da zona da Ericeira. Em 2010, a AABC esteve na origem da proposta feita à associação Save the Waves Coalition, através da Câmara Municipal de Mafra, para a criação da World Surfing Reserve /  Reserva Mundial de Surf na zona da Ericeira. A associação entendeu agora retirar o seu apoio à reserva mundial, acusando a autarquia de não cumprir os compromissos assumidos em relação ao projeto.

Em nota de imprensa, a AABC sublinha que a Reserva Mundial de Surf na Ericeira é “responsável por inquantificáveis benefícios económicos, lúdicos e reputacionais para o Concelho de Mafra”. Mas acrescenta que o “objectivo principal é a preservação, defesa e conservação das zonas de surf, das praias, do meio ambiente circundante e demais património ambiental e cultural”.

A Associação dos Amigos da Baía dos Coxos alega que a Câmara Municipal de Mafra não tem feito o que lhe compete na Reserva Mundial de Surf da Ericeira. E aponta as questões: “o problema da dinâmica e segurança da zona de surf de Ribeira d’Ilhas face ao leccionamento intensivo de aulas de surf a iniciantes na modalidade, o grave problema da estação elevatória do saneamento de Ribamar que provoca recorrentes descargas de aguas residuais na baia dos Coxos, o problema das movimentação de terras em terrenos dentro da reserva e próximos das falésias, concretamente atrás do cavalinho, o destino a dar ao terreno imediatamente atrás das praias da Empa e Reef, o protelar na criação e implementação conjunta de regras mínimas para assegurar a gestão básica da Reserva, a demora na aprovação dos estatutos para a Reserva Municipal, a única forma de legitimar e legalizar em definitivo a World Surfing Reserve / Reserva Mundial de Surf da Ericeira, o gravíssimo problema provocado pelo campismo selvagem e pelas autocaravanas que utilizam a reserva como parque de campismo e como casa de banho deixando um rasto de papel higiénico, fezes e lixo diverso em zonas de circulação e o protelar da implementação de medidas preventivas e punitivas, de baixo custo, eficazes para por cobro a este atentado”.

Depois de “inúmeras reuniões, apresentação de propostas, pedidos de ajuda e múltiplas insistências”, a gota de água surgiu no âmbito do Programa para a Orla Costeira Alcobaça – Cabo Espichel. A AABC alega que as recomendações apresentada para o POC não foram acompanhadas pela autarquia. “Ao contrário do que nos havia sido expressamente transmitido pelo seu Presidente, optou por assumir junto da APA (Agencia Portuguesa do Ambiente) uma posição de que desqualifica e desprotege o estatuto que actualmente gozam as praias e zonas envolventes da World Surfing Reserve / Reserva Mundial de Surf da Ericeira”, refere a associação.

“Assim, com muita tristeza e pesar, a AABC entendeu retirar o seu apoio à World Surfing Reserve / Reserva Mundial de Surf da Ericeira, entendendo que o estatuto da mesma deverá ser imediatamente suspenso pela Save The Waves Coalition”, concluiu a Associação dos Amigos da Baía dos Coxos.

Comentários