pub

Extreme Sailing Series 2016

Visit Madeira Conclui Época “Incrível”

Equipa portuguesa Visit Madeira termina o primeiro ano de experiência com os GC32 em 'em regatas de estádio' satisfeita com o trabalho e a evolução (®Ricardo Pinto/www.rspinto.com)
Equipa portuguesa Visit Madeira termina o primeiro ano de experiência com os GC32 em 'em regatas de estádio' satisfeita com o trabalho e a evolução (®Ricardo Pinto/www.rspinto.com)
pub

Terminou hoje em Sydney a última etapa do circuito mundial Extreme Sailing Series 2016. O título de campeões do circuito foi decidido neste último dia e a equipa portuguesa Visit Madeira, com o tripulante algarvio Luís Brito, concluiu a etapa em 7º lugar, a um ponto da 6ª posição, e com duas regatas ganhas durante os quatro dias de prova. “Foi um caminho incrível” durante este primeiro ano de contato com os super catamarãs voadores GC32, comentou o ‘skipper’ e leme da equipa portuguesa, Diogo Cayola.

O último dia em Sydney e do circuito 2016 não poderia ter sido planeado de melhor forma, condições climatéricas perfeitas e vento médio de 15 nós permitiram às equipas proporcionar uma grande final na baía.

O dia foi longo dado terem sido realizadas oito regatas com três voltas uma, devido à pequena dimensão da área reservada às regatas na baía de Sydney. As equipas sentiram o cansaço do dia anterior, onde também tinham sido realizadas oito regatas com vento médio a forte, mas muito motivadas neste último esforço para mais um espetáculo único.

Os catamarãs voadores GC32 são barcos tecnicamente difíceis e que exigem um grande esforço físico, como se vê na imagem (®Ricardo Pinto/www.rspinto.com)

Os catamarãs voadores GC32 são barcos tecnicamente difíceis e que exigem um grande esforço físico, como se vê na imagem (®Ricardo Pinto/www.rspinto.com)

A equipa Visit Madeira terminou hoje a sua primeira época no circuito Extreme Sailing Series, a sua primeira experiência com os novos barcos GC32, com um sentimento positivo e uma evolução assinalável: 7º lugar na etapa, a primeira na qual conseguiram vencer duas regatas, e 6º lugar no ‘ranking’ final.

Diogo Cayolla, skipper e leme da equipa português: “Muitos dias e suor desde a nossa ida ao Dubai para a recepção do barco, muito esforço e dedicação de muitas pessoas onde através desta união foi possível efectuar um caminho incrível durante este ano. Quero agradecer em primeiro lugar a toda a minha equipa, que de forma incansável quer no mar como em terra, ajudaram à concretização deste projecto. Em segundo lugar aos patrocinadores, com especial menção ao Turismo da Madeira, que acreditaram em nós e nos apoiaram.”

Tom Buggy à esquerda e, à direita, o algarvio Luís Brito, tripulante da equipa desde a primeira hora (®Ricardo Pinto/www.rspinto.com)

Tom Buggy à esquerda e, à direita, o algarvio Luís Brito, tripulante da equipa desde a primeira hora (®Ricardo Pinto/www.rspinto.com)

Tom Buggy, trimmer da equipa portuguesa: “Estou muito feliz por ter tido a oportunidade de velejar com o lendário Diogo Cayola e a equipa nesta última etapa do Extreme Sailing Series 2016 em Sydney Harbour. A equipa tem grande perícia e velocidade no barco de foils GC32 e estou feliz por ter encaixado como ‘trimmer’ para o último evento do ano. A competição foi dura e tivemos boas e más regatas, mas aprendemos muitos durante a prova. Adorei viajar com este grupo”.

A equipa suíça Alinghi venceu a etapa e sagrou-se campeã do Extreme Sailing Series. A equipa já tinha sido campeã em 2008 e 2014, mas nunca com os GC32, que se estrearam este ano no circuito. Alinghi dominou a temporada sempre em forte despique com a equipa Oman Air, vice-campeã do circuito, 3ª classificada em Sydney.

Fonte: Nota de Imprensa Visit Portugal / Ricardo Pinto / www.rspinto.com

Links:

ESS2016#8 | Sydney | Dia 3

ESS2016#8 | Sydney | Dia 2

ESS2016#8 | Sydney | Dia 1

Comentários