pub

Comité Internacional vai decidir no próximo ano

Tóquio 2020 Propõe Surf Olímpico

Parques, jardins, pavilhões com ondas artificiais são, cada vez mais, o futuro do surf (®surf4all)
Parques, jardins, pavilhões com ondas artificiais são, cada vez mais, o futuro do surf (®surf4all)
pub

O Comité Organizador dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020 propôs hoje a a inclusão do Surf como modalidade olímpica nos jogos a realizar na capital japonesa. A decisão final será tomada pelo Comité Internacional Olímpico em agosto do próximo ano, durante os Jogos Olímpicos Rio 2016.

Segunda-feira, 28 de setembro de 2015. É uma data histórica para o surf. O desporto foi hoje proposto como modalidade olímpica e isso representa um forte reconhecimento da sua importância e popularidade crescentes. A aposta olímpica no surf pode significar também o crescimento da indústria dos ‘jardins de ondas’, o que terá um forte impacto no futuro da modalidade.

Surf, baseball/softball (regresso após Pequim 2008), karaté, escalada e skate (esta última modalidade fortemente ligada ao surf) foram as modalidades escolhidas pelo Comité Organizador japonês para integrar o programa dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020. A proposta é a primeira da nova regra olímpica que permite aos comités organizadores sugerirem desportos para os programas dos jogos que estão a organizar. A decisão final pertence ao Comité Olímpico Internacional.

Cinco novos desportos, para um total de 18 eventos (provas) com 474 atletas é a proposta hoje divulgada para a Agenda Olímpica 2020. O surf é proposto com duas provas em ‘shortbard’, uma masculina e outra feminina, com 20 atletas cada. As provas de surf serão realizadas num ‘jardim de ondas’ artificiais em pavilhão a construir na capital japonesa.

“Este pacote de provas (as cinco modalidades propostas) representa desportos tradicionais e emergentes, focados na juventude, os quais são populares internacionalmente e no Japão. Servirão como força motora para promover o Movimento Olímpico e os seus valores, com focus no apelo à juventude; e vão dar valor acrescentado aos Jogos envolvendo a população japonesa e novas audiências em todo o mundo”, justifica o Comité Organizador Tóquio 2020. De fora da proposta ficaram patinagem, bowling e wushu (arte marcial japonesa).

A Associação Internacional de Surf saudou a proposta japonesa como “um marco” que deverá proporcionar a criação de mais parques de ondas artificiais. As provas de surf nos Jogos Tóquio 2020 serão realizadas num ‘jardim de ondas’ a construir na capital japonesa. Os parques de ondas artificiais começam a surgir um pouco por todo o mundo – Portugal deverá ter o primeiro em Gaia, daqui a dois anos – e isso pode marcar o futuro da modalidade.

Essa é a convocação do patrão da Northcore, marca inglesa de equipamento técnico para surf. Em Abril último, Matt Starthern projetou assim o futuro do surf, em declarações ao Swell-Algarve: “Vamos ver mais jardins de ondas. Neste momento estão a ser construídos dois no Reino Unido. Vamos ter uma nova geração de surfistas que não vai ao oceano. Deverá aparecer uma cultura diferente”, respondeu Matt Strathern. “It’s gonna be big !”.

Comentários