pub

Pesca Submarina | Mundial em Sagres

Algarvios Teresa Duarte e Jody Lot Campeões do Mundo

Algarvios Teresa Duarte e Jody Lot são campeões do mundo de pesca submarina 2018. Conquistaram os títulos 'em casa', em Sagres (®PauloMarcelino)
pub

Os algarvios Teresa Duarte e Jody Lot sagraram-se Campeões do Mundo de Pesca Submarina 2018. O XXXI Campeonato do Mundo e I Taça do Mundo Feminina CMAS de Pesca Submarina decorreram em Sagres, Vila do Bispo, Algarve, com um total de 68 atletas masculinos e 16 femininas em representação de 21 países. Portugal terminou vice-campeão do Mundo por equipas, masculino e feminino, e alcançou uma ‘dobradinha’ no pódio individual masculino.

O primeiro dia de competição, sábado 8 de setembro, foi uma jornada de abundância. Os competidores capturaram um total de 1.100 quilos de peixe, muito acima dos cerca de 400 quilos registados por jornada em mundiais anteriores, segundo uma fonte próxima da organização. A pesagem desse dia demorou cerca de seis horas e meia.

Portugal concluiu o primeiro dia em 1º lugar por equipas, com pouco menos de cinco mil pontos de vantagem sobre a Espanha. Na classificação individual do XXXI Campeonato do Mundo CMAS 2018, a primeira jornada terminou com menos de quatro mil pontos a separar os cinco primeiros. Liderava o espanhol Xavier Blanco, campeão mundial em 2014 e europeu em 2015. O campeão nacional André Domingues seguia em 2º e o compatriota Pedro Domingues em 3º. O algarvio Jody Lot era o pior português; ocupava a 5ª posição. O cipriota Giorgus Vacilou, campeão do mundo o ano passado seguia na 4ª posição.

Estava tudo por decidir no ‘campeonato dos homens’, mas o primeiro dia de ‘caça’ no mar em Sagres foi a jornada única da primeira Taça do Mundo Feminina de Pesca Submarina. Competiram no mundial feminino 16 atletas de 7 países. A pescadora local Teresa Duarte venceu e sagrou-se Campeã do Mundo 2018, tendo também recebido o prémio pelo maior exemplar capturado na prova feminina, um bodião com 1,142 quilos.

“Não correu tão bem como esperávamos. Houve muitos buracos (marcados na prospecção) que falharam. O que acabou por marcar a diferença foi a variedade de espécies capturadas“, comentou a campeã, para o Swell-Algarve.

Teresa Duarte tem 35 anos e reside em Sagres. É mais conhecida por ter sido campeã nacional de bodyboard, mas há cerca de seis anos dedicou-se à pesca submarina e à apanha de marisco, desiludida com o bodyboard. O seu irmão Luís Duarte, mais conhecido por Bajolo dos tempos em que também era um respeitado atleta de bodyboard, já tem mais experiência de caça no mar. Foi ele o barqueiro de Teresa Duarte, no mundial e na prospecção preparatória. É uma atividade que corre no sangue da família. “O meu avô já mergulhava”, revelou Teresa Duarte.

Portugal sagrou-se vice-campeão na I Taça Feminina CMAS de Pesca Submarina. A equipa lusa foi constituída pela algarvia Teresa Duarte e por Catarina Santos, da Grande Lisboa, 8ª na geral individual. Estados Unidos da America venceram por equipas e Espanha fez 3º lugar. Para Teresa Duarte foi uma quase estreia desportiva na modalidade, depois de ter entrado no nacional deste ano em Sines, “quase de páraquedas” e apenas para registar curriculum por forma a poder ser selecionada.

“Aqui, quem manda sou eu”

O segundo dia, último dia do XXXI Campeonato do Mundo CMAS 2018 foi menos generoso em pescado. Estava tudo em aberto no topo da tabela classificava. As capturas diminuíram domingo e isso foi sendo notório no mar durante a jornada. O algarvio Jody Lot regressou ao Porto da Baleeira satisfeito. Tinha menos peixe que na véspera, mas em boa variedade e com ótimo aproveitamento de quotas.

Jody Lot venceu a segunda jornada de forma categórica e nenhum dos quatro adversários que tinha pela frente conseguiu resistir à diferença. O algarvio subiu do 5º para o 1º lugar no último dia e sagrou-se Campeão do Mundo 2018. Aos 37 anos de idade, o ‘caçador submarino’ de Alvor repetiu em Sagres o título mundial que havia alcançado em 2012, depois de ter sido campeão euro-africano em 2011.

Jody Lot venceu o Mundial em Sagres da mesma forma dramática que venceu o Campeonato Nacional há dois anos, também em Sagres. Em ambos os eventos, o algarvio chegou ao topo da tabela apenas no último dia. No caso do Nacional bastou-lhe a consistência (2º lugar nas duas jornadas, que resultaram em 1º lugar geral nas contas finais), mas no caso do Mundial, Jody Lot deu uma lição de domínio absoluto naquele mar, que conhece como poucos.

Jody Lot explicou ao Swell-Algarve que conseguiu “fazer todo o peixe marcado” (conseguir capturas em todos os locais assinalados durante a prospecção que antecedeu o mundial)  e que essa foi uma lição que tirou do Nacional de há dois anos. É uma prova de conhecimento do mar em Sagres, onde o Jody Lot treina durante todo o ano. É por isso que confessou ao Swell-Algarve, emocionado depois da cerimónia de pódio: “Aqui, quem manda sou eu”.

O campeão nacional português, André Domingues, manteve o 2º lugar geral individual e sagrou-se vice-campeão do Mundo. O espanhol Xavier Blanco desceu para a 3ª posição. A Espanha venceu o campeonato por equipas. Portugal terminou em 2º, sobretudo, devido a um segundo dia menos conseguido por parte de Pedro Domingues, que caiu de 3º para 7º na geral individual. Chile foi 3º classificado por equipas, tendo subido quatro lugares no último dia.

Comentários