pub

Ericeira World Junior Championships 2016

Lucas e Isabella Campeões do Mundo

Lucas Silveira, Brasil; e Isabella Nichols, Austrália; Campeões do Mundo de Surf Junior 2016 (®WSL/DamienPoullenot)
Lucas Silveira, Brasil; e Isabella Nichols, Austrália; Campeões do Mundo de Surf Junior 2016 (®WSL/DamienPoullenot)
pub

Lucas Silveira (Brasil) e Isabella Nichols (Austrália) sagraram-se Campeões do Mundo de Surf Junior, esta quarta-feira, 13 de janeiro, último dia do Ericeira World Junior Championships 2016, da World Surf League, evento que encerrou com condições clássicas na Praia de Ribeira D’Ilhas, depois de quase duas semanas de competição intermitente na Praia dos Pescadores, na vila de Ericeira.

O Mundial de Surf Junior 2016 ficou marcado por uma tempestade atlântica que acompanhou quase todo o período do evento. A organização foi forçada a ‘procurar refúgio’ na Praia dos Pescadores, onde os melhores surfistas juniores do mundo enfrentaram condições muito difíceis nos dias, ou períodos de dias em que a competição foi possível.

Ontem, terça-feira, a tempestade deu tréguas e o campeonato mudou-se para o local principal, Ribeira D’Ilhas, já com condições razoáveis. Foram disputadas nesse dia as rondas 3 e 4 masculinas e foi eliminado o único português no quadro masculino, Tomás Fernandes, em duelo com o italiano Leonardo Fioravanti, na Ronda 4. Tomás Fernandes concluiu o Mundial com um 9º lugar.

Boas condições, esta quarta-feira, em Ribeira D'Ilhas (®WSL/LaurentMasurel)

Boas condições, esta quarta-feira, em Ribeira D’Ilhas (®WSL/LaurentMasurel)

Hoje, quarta-feira, foi dia de finais em Ribeira D’Ilhas, que apresentou condições muito boas para o encerramento do Mundial. Foram hoje disputadas as meias-finais e final feminina; e os quartos-de-final, meias-finais e final masculina.

A campeã portuguesa Teresa Bonvalot perdeu nas meias-finais femininas contra a (ainda) campeã do mundo junior Mahina Maeda, do Havai, e concluiu o Mundial com um 3º lugar. Mahina Maeda já tinha eliminado, nos quartos-de-final, Camilla Kemp (5º lugar). Portugal esteve também representado no quadro feminino por Carol Henrique, eliminada na Ronda 4, pela australiana Holly Hawn.

Australiana Isabella Nichols não deu hipóteses à adversária na final feminina (®WSL/PoullenotAquashot)

Australiana Isabella Nichols não deu hipóteses à adversária na final feminina (®WSL/PoullenotAquashot)

A final feminina foi para a água em condições ideais ‘offshore’ e opôs a cabeça de série e campeã em título Mahina Maeda à australiana Isabella Nichols. A australiana não era favorita, mesmo com o 14º lugar no ‘ranking’ final feminino do ‘Qualifying Series’ 2015, mas dominou a final desta manhã em Ribeira D’Ilhas. Isabela Nichols (pontuação 18,30) abriu o duelo com uma onda de 8,93 pontos e fechou a discussão com uma onda de 9,37 pontos. Mahina Maeda (11,16 | 7,33+3,83) nunca entrou, verdadeiramente, na luta. “Não se pode ganhar sempre”, comentou, depois, a havaiana.

Na final masculina, o cabeça-de-série foi Timothee Bisso (Guadalupe), mas o favorito era o brasileiro Lucas Silveira, que fizera na véspera a única onda perfeita (10 pontos) deste mundial e nas baterias anteriores mostrou uma enorme consistência com ondas de 8 e 9 pontos, com as quais ‘despachou’ favoritos como Leonardo Fioravanti e Kanoa Igarashi.

Brasileiro Lucas Silveira dominou por completo a final masculina (®WSL/PoullenotAquashot)

Brasileiro Lucas Silveira dominou por completo a final masculina (®WSL/PoullenotAquashot)

A consistência do brasileiro manteve-se na final, que foi uma bateria de sentido único a favor de Lucas Silveira (16,17 | 8,00+8,17). O adversário Timothee Bisso (11,74 | 6,57+5,17) não teve resposta. O domínio de Lucas Silveira foi tão evidente que o seu segundo grupo de melhores ondas (7,97+6,33) também seria suficiente para vencer a final.

Como repetiu durante toda a manhã o algarvio Marlon Lipke: “O Lucas está a surfar como campeão”. Marlon Lipke esteve no Mundial como comentador oficial para a World Surf League e mostrou estar à altura do desafio dentro da cabine.

'God Job Marlon Lipke'. Surfista algarvio foi comentador oficial do evento para a World Surf League (®screenshot)

‘God Job Marlon Lipke’. Surfista algarvio foi comentador oficial do evento para a World Surf League (®screenshot)

Comentários