pub

Projeto hoteleiro ameaça mata de João d'Arens

Cidadãos Defendem Última Janela Verde de Portimão

Mata de João d'Arens, em Portimão, está ameaçada por um plano de construção de três hotéis (®JoaoBracourt)
pub

A mata de João d’Arens é por muitos considerada a última janela verde para o mar em Portimão. A preservação da área, entre a Prainha e o Vau, está agora ameaçada por um plano de urbanização que prevê a construção de três unidades hoteleiras, com um total de 822 camas. O projeto está em consulta pública na Câmara Municipal de Portimão até 15 de março e um grupo de cidadãos uniu-se para contestar o eventual licenciamento junto da  Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve.

O grupo de cidadãos em defesa da mata de João d’Arens está a desenvolver algumas ações de sensibilização pública, que podem ser acompanhadas no grupo do Facebook denominado ‘A Última Janela para o Mar’ (AQUI). O principal instrumento de contestação ao licenciamento do projeto hoteleiro é uma petição pública dirigida ao presidente da CCDR Algarve, que pode ser assinada na internet por todos os interessados.

A petição é dirigida à CCDR Algarve por ser a “autoridade de avaliação de impacte ambiental”. No texto do documento alega-se que a Câmara Municipal de Portimão “violou a sua responsabilidade de divulgação da consulta pública”, que o plano de urbanização da UP3 está caducado por ter sido ultrapassado o prazo de revisão, não cumpre o PROT Algarve por prever construção na faixa dos 200 metros do litoral, ameaça espécies vegetais raras e um núcleo endémico protegido pela Rede Natura 2000, abrange um sítio importante classificado para observação de aves e vai acentuar o processo de erosão das arribas calcárias, que são o cartaz turístico do Algarve.

O plano de urbanização da UP3 foi aprovada no dia 4 de janeiro de 2008, em sede de Assembleia Municipal extraordinária. Os autores da petição pública alegam que a aprovação foi feita sem qualquer declaração ambiental e que esta só foi emitida pela autarquia três anos mais tarde. O plano foi aprovado com uma vigência de cinco (5) anos e deveria ter sido revisto em 2013. Foram feitos pela autarquia dois anúncios de revisão – em 2013 e 2017 – mas a mesma nunca foi concretizada e, continuam os autores, a lei estipula que apenas pode haver um prazo de revisão.

Os autores da petição pública concluem que o projeto hoteleiro está ferido de nulidade porque o prazo de revisão do plano de urbanização foi ultrapassado e também porque a Câmara Municipal não cumpriu os requisitos legais da consulta pública, por “não publicitação” da mesma no seu website e por “negação de acesso a documentos alegadamente importantes para o exercício de participação na consulta pública”.

A raríssima Cyonomium Cocineum (piça-de-mouro), quatro (4) espécies de orquídeas autóctones, um núcleo endémico de Linaria Algarviana, protegido pela Rede Natura 2000; são algumas das espécies da rica flora da mata de João d’Arens ameaçadas pelo projeto hoteleiro. Em causa está também a classificação da mata como sítio importante para observação de aves, atividade com potencial turístico em crescimento.

Comentários